90% do corpo de médico assassinado em Aldeia é encontrado, diz polícia

51

Mais restos mortais do médico cardiologista e advogado Denirson Paes da Silva, de 54 anos, foram localizados nesta quinta-feira (12) pelas equipes de busca. O chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Joselito Kehrle, informou que foram localizados a cabeça e o tronco da vítima, encontrada em uma cacimba de 25 metros na casa onde vivia com a família no condomínio Torquato Castro, no Km 13 de Aldeia, em Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife. Esposa e filho mais velho do médico, Jussara e Danilo Paes são os principais suspeitos do homicídio. As buscas, de acordo com a delegada Carmen Lúcia, titular da Delegacia de Camaragibe e responsável pelas investigações, foram encerradas na noite desta quinta.

Com o resgate dos restos mortais encontrados neste quarto dia de escavação, a maior parte do corpo do médico, segundo a polícia, foi encontrado. “Demos um passo significativo na investigação porque a partir das escavações que foram feitas na cacimba, nós encontramos o tronco e a cabeça. Acredito que mais de 90% dos restos mortais de Denirson já foi resgatado durante as buscas”, disse Kehrle.

A polícia acredita que, com o encerramento das buscas e com a quantidade de restos mortais localizados até o momento da investigação, as chances de encontrar a causa mortis do cardiologista esteja cada vez mais próxima. “É significativa essas partes para o exame necroscópico a ser realizado pelos peritos do Instituto de Medicina Legal (IML) e há possibilidade, pelo volume do material encontrado, de um posicionamento quanto a causa mortis. Deixo claro que a causa mortis não tem a ver com a natureza jurídica do crime, que já foi delineada como homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver”, detalhou o chefe da Polícia Civil.

Por causa da profundida da cacimba, o Corpo de Bombeiros, desde a última terça-feira (10) apenas acompanha as buscas. De acordo com Kehrle, as escavações passaram a ser comandadas por uma empresa terceirizada de alpinismo. No total, foram localizados os membros inferiores e superiores, o tronco e a cabeça da vítima. O resultado dos exames da ultima remessa encontrada nesta quinta devem sair em até 20 dias.

Habeas Corpus
Também nesta quinta-feira (12), o pedido de habeas corpus de Jussara, de 54, e Danilo Paes, 23, esposa e filho suspeito do assassinato e ocultação de cadáver de Denirson Paes foi negado pelo presidente da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), desembargador Antônio de Melo e Lima.

Para Kehrle, a decisão também deve contribuir para a conclusão do inquérito. “A gente entende que tivemos um avanço significativo na tarde desta quinta e isso tem dado o subsídio suficiente para robustecer a investigação, inclusive com a negativa do habeas corpus. Eles irão permanecer presos à disposição da polícia enquanto perdura as investigações”, ressaltou.

A solicitação de soltura foi feita ao TJPE no início da tarde dessa quarta-feira (11) pelo advogado dos dois, Alexandre Oliveira. Jussara e Danilo tiveram a prisão temporária de 30 dias decretada na última quinta-feira (5), podendo ser renovada por mais 30. Junto ao indeferimento do pedido de habeas corpus, foi solicitado o segredo de justiça sobre a sequência do processo. Eles seguirão presos na Colônia Penal Feminina do Recife e no Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna.

Com o encerramento das buscas dentro da cacimba onde foram encontrados os restos mortais do cardiologista, a polícia agora deve trabalhar em cima dos resultados dos exames para desvendar a causa mortis do homicídio e concluir a investigação. “O que nos motiva agora e aguarda o resultado das perícias que estão sendo realizadas. Nós já tivemos o resultado positivo da pericia de DNA e agora falta a definição do exame necroscópico, que deve revelar a causa mortis”, concluiu.

Entenda o caso
O desaparecimento do médico cardiologista Denirson Paes da Silva vinha sendo investigado desde meados de junho. Em um Boletim de Ocorrência registrado no último dia 20 de junho, a farmacêutica Jussara Rodrigues Silva Paes, 54, alegava que a vítima teria viajado para fora do País e que não teria retornado.

A delegada Carmem Lúcia desconfiou do envolvimento dos familiares e solicitou um mandado de busca e apreensão no condomínio em que eles moravam. Para a polícia, há indícios suficientes da participação de mãe e filho na ocultação do cadáver do médico. Os primeiros restos mortais dele foram encontrados na última quarta-feira (4) dentro de uma cacimba na casa onde morava, no condomínio Torquato Castro, em Aldeia.

Vizinhos do médico afirmaram que dois funcionários dele prestaram depoimento. Um deles teria afirmado que a esposa da vítima o chamou dias atrás para fechar, com cimento, uma cacimba que já estaria lacrada com uma tampa “bastante pesada para ser carregada por uma pessoa só”. O homem teria notado um mau cheiro, mas a farmacêutica alegou que um gato tinha morrido dentro da cacimba.

O segundo funcionário contou à polícia que o médico, pouco antes de desaparecer, tinha explicado a ele que não precisaria mais de seus serviços porque estaria se separando e iria morar no Recife.