Advogado ferido em acidente que deixou três mortos no Recife tem evolução clínica diária, diz boletim médico

105

O advogado Miguel Arruda da Motta Silveira Filho, 46 anos, internado após um acidente de trânsito provocado por um motorista bêbado no dia 26 de novembro, apresenta evolução clínica diária e encontra-se em reabilitação física neste domingo (3), segundo boletim médico divulgado pelo Hospital Santa Joana.

Segundo a unidade de saúde, a filha dele, Marcela Guimarães da Motta Silveira, de cinco anos, permanece em coma na Unidade de Tratamento Intensivo Pediátrica, mas tem quadro clínico e metabólico considerado estável.

Além de deixar pai e filha feridos, o acidente resultou na morte de três pessoas. Uma delas, a advogada Maria Emília Guimarães Silveira, 39 anos, era esposa de Miguel e mãe de Marcela. Também faleceram Miguel Arruda da Motta Silveira Neto, de três anos, o outro filho do casal, e a babá Roseane de Brito Souza, 23 anos, que estava grávida e deixou uma filha de três anos. O motorista do outro carro, João Victor de Oliveira, de 25 anos, teve a prisão preventiva decretada pela Justiça na segunda (27).

Através de uma nota recebida pela TV Globo na noite da terça (28), os parentes de Miguel Arruda e Marcela Guimarães agradeceram o carinho demonstrado por quem se solidarizou e pediu pela continuidade das orações pela família.

Homenagens às vítimas

Grupo de voluntários 'abraça' cruzamento em que ocorreu acidente de trânsito na Zona Norte do Recife (Foto: Carol Lopes/Novo Jeito/Divulgação)

Grupo de voluntários ‘abraça’ cruzamento em que ocorreu acidente de trânsito na Zona Norte do Recife (Foto: Carol Lopes/Novo Jeito/Divulgação)

No sábado (2), voluntários da ONG Novo Jeito realizaram um “abraço” simbólico no cruzamento entre a Estrada do Arraial e a Rua Cônego Barata, no bairro da Tamarineira, local em que ocorreu o acidente. O grupo realizou um minuto de silêncio e, em seguida, depositou flores no local em que um dos carros capotou.

No mesmo dia, foi realizada uma missa em homenagem a Maria Emília e Miguel Neto, na Zona Norte do Recife. Uma missa em homenagem a Roseane de Brito Souza está marcada para este domingo (3), em Caueiras, distrito de Aliança, na Mata Norte de Pernambuco.

Na segunda (27), dia seguinte ao acidente, Maria Emília recebeu homenagens no local em que trabalhava. O luto pelas vítimas do acidente também foi demonstrada através das flores deixadas no local em que ocorreu a colisão.

O acidente

Motorista bêbado avança sinal, bate em carro com família e deixa duas pessoas mortas

Motorista bêbado avança sinal, bate em carro com família e deixa duas pessoas mortas

A colisão entre dois veículos ocorreu no cruzamento entre a Estrada do Arraial e a Rua Cônego Barata, no bairro da Tamarineira, na Zona Norte do Recife, por volta das 19h30 do domingo (26). João Victor Ribeiro, que estava embriagado, avançou um semáforo a uma velocidade de 100 quilômetros por hora, batendo no carro em que estavam três adultos e duas crianças. Câmeras de seguranças registraram o momento do acidente.

Segundo a Polícia Civil, o motorista fez um teste de alcoolemia, que acusou a ingestão de álcool três vezes acima do que é considerado crime de trânsito.

A funcionária do Tribunal de Justiça de Pernambuco e advogada Maria Emília Guimarães da Mota Silveira, 39 anos, e a babá Roseane Maria de Brito Souza, de 23 anos, grávida, morreram na hora. Miguel Arruda da Motta Silveira Neto, de 3 anos e 11 meses, faleceu na tarde da segunda (27).

O carro da família, uma SUV de uma marca importada, era dirigido pelo advogado Miguel Arruda da Motta Silveira Filho, 46 anos, e ainda transportava Marcela Guimarães Motta Silveira, de 5 anos, a outra filha do casal.

Os enterros de Maria Emília e de Miguel Neto ocorreram em um cemitério em Paulista, no Grande Recife. Já o sepultamento de Roseane de Brito Souza foi em Aliança, na Mata Norte de Pernambuco.

Punição e outros inquéritos

João Victor Ribeiro responderá pelos crimes de triplo homicídio doloso, quando há intenção de matar, e lesão corporal gravíssima. O advogado do estudante deixou o caso e ele passou a ser assistido por um defensor público. De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Paulo Jean, o carro dirigido pelo universitário tem um histórico de multas por avanço de semáforo e excesso de velocidade.

A Polícia Civil também abriu um inquérito para investigar duas agressões que teriam sido cometidas por João Victor. Uma delas foi denunciada por vizinha dele e teria sido cometida no mês de agosto. Outra agressão, denunciada pelo segurança de um posto de gasolina de Olinda, teria ocorrido no mês de outubro. Além disso, João Victor também tem um histórico de multas por excesso de velocidade e avanço de sinal, segundo a Polícia Civil.

Deixe seu Comentário!