Alunos de odontologia da UPE protestam contra falta de segurança em campus

324

Alunos da Faculdade de Odontologia de Pernambuco (FOP), ligada à Universidade de Pernambuco (UPE), realizam um protesto, nesta quinta-feira (11), no Centro da capital pernambucana, contra a insegurança no campus de Camaragibe, no Grande Recife. Os estudantes, que deflagraram uma greve e suspenderam os atendimentos na clínica-escola, exigem a instalação de posto de policiamento fixo.

A mobilização dos estudantes começou depois de um crime ocorrido na área da instituição, na segunda-feira (8). Alunas prestaram queixa na delegacia e informaram que tiveram materiais odontológicos roubados durante um assalto. A Polícia Civil disse que abriu um inquérito para apurar o caso.

Na manhã desta quinta, cerca de 200 estudantes, segundo organizadores do protesto, se reuniram na frente da reitoria da UPE, em Santo Amaro, na área central da capital. Por volta das 10h30, o grupo seguiu em passeata até a sede da Secretaria de Defesa Social (SDS), no mesmo bairro.

Antes da chegada dos estudantes, a rua da SDS foi fechada por policiais. A Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) informou que não havia registro sobre impactos provocados pela manifestação.

No órgão, os estudantes se reuniram com representantes da SDS e da Polícia Militar. Segundo a PM, a segurança foi reforçada na área do campus.

“O nosso policiamento é feito diariamente com uma dupla de motos e com uma guarnição que circula nos horários de movimento, pela manhã e na hora do almoço. Desde o início da semana a gente vem lançando policiamento especial e acreditamos que o nosso policiamento vai conseguir resolver esse problema”, diz o Major Adalberto Barbosa, subcomandante do 20º Batalhão da PM.

Mobilização
Para realizar a manifestação, os alunos da FOP produziram faixas e cartazes para denunciar a falta de policiamento na área do campus. “É tanta violência”, “Nada foi Feito”. “Muda FOP” e “Não tem aula, mas tem luta”, são algumas das mensagens criadas pelos alunos.

Os alunos da universidade informam que, em 2018, foram enviados seis ofícios à SDS, mas medidas de segurança solicitadas não foram implementadas.

“Precisamos de segurança durante todo o dia no campus e não apenas em alguns horários, quando a Polícia Militar faz rondas”, afirma Maristela Vasconcelos, uma das representantes dos manifestantes.

Os alunos fizeram uma relação de ocorrências policiais no campus de Camaragibe, no ano passado. Eles informam, por exemplo, que aconteceram 15 assaltos e um tiroteio com perseguição policial. Além disso, seis corpos foram deixados no terreno da instituição.

Greve
De acordo com o Diretório Acadêmico de Odontologia da UPE, integrantes de oito turmas de graduação deixaram de ir às aulas e suspenderam os atendimentos aos pacientes na clínica localizada no campus. Todos os períodos têm, juntos, cerca de 400 estudantes. Por meio de nota, a instituição confirmou a greve dos universitários.

A ação foi idealizada depois do roubo de materiais odontológicos dentro do campus, na segunda (8). De acordo com uma das alunas assaltadas, o crime foi praticado por dois homens que estavam com uma farda azul, semelhante à utilizada por funcionários terceirizados da universidade.

Deixe seu Comentário!

Assine agora mesmo nosso grupo no WhatsApp e seja o primeiro e saber de tudo!

ASSINAR GRUPO VIP GRÁTIS
Anuncie