Deslizamento de barreira atinge e destrói casa em Olinda

480

Parte de uma casa foi destruída após um deslizamento de barreira no bairro de Sapucaia, em Olinda, nesta sexta-feira (12). No momento do incidente, um casal estava na residência, mas eles conseguiram sair do local e não precisaram de atendimento médico. A Defesa Civil do município interditou a casa e analisa outras moradias próximas.

Mulher, identificada como Shirley, contou que o cômodo atingido pelo deslizamento era o que a filha e o neto dormiam. “A gente pensava que eles estavam aí dentro. Corremos no desespero, começamos a gritar para tentar tirar ela. Graças a Deus, ela saiu para vacinar o menino”, relatou.

Shirley disse que estava com o marido em casa, no momento do acidente, e não sabia que a filha tinha saído. “Quando abri a janela, porque a vizinha estava me chamando, a barreira caiu. Foi muito rápido mesmo. É muita água que desce aí por trás [vinda da barreira]. Caiu um pedaço da parede nas costas do meu marido”, contou.

Moradores auxiliaram na retirada de escombros, quando ainda se acreditava que os dois integrantes da família estavam dentro da residência, localizada na Rua Severino Semeão Goiana de Miranda, nas proximidades da Escola Professora Deanna Clarck Xavier.

A equipe da Defesa Civil de Olinda explicou que a área foi isolada e vai ser feita a limpeza de entulhos. “A gente vai pedir para os moradores se retirarem da área de risco. A casa que caiu está interditada, a estrutura dela foi comprometida e não oferece segurança para os moradores”, afirmou o diretor de engenharia do órgão, Anderson Borba.

Além de muita chuva, Borba apontou que havia lixo e bananeiras na encosta. Isso contribuiu para a barreira desabar. “Tudo favoreceu para vir o desastre, foi bastante chuva e coisa acumulada. Comuniquei já aos moradores que vamos isolar a área e a casa atingida é perda total. A do lado, a gente precisa esperar a barreira secar para fazer uma melhor avaliação”, disse.

A Defesa Civil informou, ainda, que vai fazer a retirada de uma árvore que está no topo da barreira. “Corre ainda risco de cair por que [essa barreira] está saturada. É como uma espoja, se você apertar, vai sair água para todo lado”, afirmou Borba.

Até as 11h40, a Agência Pernambucana de Água e Clima (Apac) registrou 91 milímetros de chuva nas últimas 6 horas em Olinda, o maior acumulado do estado no período. A média histórica para todo mês de março é de 254.20 milímetros. Um alerta de chuva moderada a pontualmente forte foi emitido na manhã dessa sexta pela Apac.

Imagens do Globocop mostram que outras ruas, tanto de Sapucaia quanto de Aguazinha, estavam tomadas pela água por por volta das 12h30.

Deixe seu Comentário!

Assine agora mesmo nosso grupo no WhatsApp e seja o primeiro e saber de tudo!

ASSINAR GRUPO VIP GRÁTIS
Anuncie