Mãe de vítima de violência sexual diz que filha não olha mais nem para a rua da escolinha

36

A mãe de criança vítima de violência sexual em uma escolinha particular no bairro de Santo Amaro, área central do Recife, conta, em relato exclusivo à Folha de Pernambuco, sobre o drama que tem vivido ao lado da filha de cinco anos. Ela falou que a dona da escola, esposa do homem apontado como autor dos oito estupros, sabia das agressões. Foi a partir da denúncia feita pelos pais dessa criança que os casos começaram a vir à tona. Todos estão sendo acompanhados pelo Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA).

Ao todo, seis meninas e dois meninos, com idades entre três e cinco anos, foram vítimas das agressões. Elas foram encaminhadas ao Instituto de Medicina Legal (IML), onde foram constatadas lesões em duas delas. A partir dos resultados e dos relatos das crianças, comprovou-se que, apesar de não ter ocorrido penetração e rompimento de hímen, houve a prática de atos como beijos forçados e toques nas regiões genitais, o que já é considerado estupro pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A identidade das vítimas, familiares, e os endereços, serão preservados para que as crianças não sejam identificadas.

Como vocês descobriram as agressões?
Antes de sair de férias, minha filha falava sempre que não queria ir para a escola. Nós pensávamos que era manha, por ela ser a nossa mais nova e o pai ser bem grudado nela. Até que no sábado anterior à volta às aulas ela foi passar o final de semana com a avó. Lá, ela viu a avó arrumando as coisas dela para estudar e ela perguntou se teria que voltar para a escolinha. No que a avó confirmou, ela começou a explicar porque não queria voltar e relatou tudo o que ele fazia com ela.

O que ela relatou?
Ela disse que era levada para uma sala no primeiro andar, que tinha um tapete, uma TV e uma cama. Pelo que entendemos, era algo frequente, quase todo dia. Disse que lá, ele pedia para ver a calcinha dela. Ele também a colocava no colo e ficava baixando o short dela. Já na primeira vez em que isso aconteceu, ela disse que avisou a dona da escolinha e ela disse: ‘vou resolver’. A última vez, que foi antes das férias, ela disse que ele a colocou no colo com muita força e machucou, aí ela começou a chorar. A mulher dele foi lá, pegou ela e a levou de volta para a escolinha.

Como foi lidar com tudo isso?
Eu entrei em estado de choque, desmaiei, fiquei perdida. Meu marido se manteve firme e começou a agir. No sábado mesmo, minha mãe foi lá e começou a gritar, chamar ele de tarado. No outro dia eu e meu marido fomos lá, mas ele já tinha fugido. Só estava a esposa, que passou todos os dados dele para a gente entrar em contato com a polícia, mas pediu que a gente não falasse o nome da escola. No mesmo dia ele nos ligou, disse que queria se explicar antes de a gente denunciá-lo. Primeiro, ele disse que não fez nada disso. Depois, disse que a levou para essa sala porque ela estava doente, para cuidar dela. Eu confiava demais neles, nossas famílias têm certa proximidade. O irmão dela veio aqui e disse que eles tinham se separado por esse motivo. Eles moravam em outro local, perto daqui. Mas ela se mudou sozinha para cá e abriu a escola, há pouco mais de um ano. O irmão explicou que ela tinha mudado de endereço porque onde eles moravam antes tinha acontecido a mesma história e eles tiveram que sair. Depois de um tempo, ela o perdoou e eles voltaram a morar juntos.

Como tem sido desde então?
Muito difícil, mas temos conseguido. Meu marido, depois que deu andamento a tudo, desabou. Sofreu demais. No começo, a menina não dormia bem. Acordava muito de madrugada perguntando se ‘o homem ira pegar ela e sumir, que nem a polícia vai achar’. Nós achamos que ele usava isso para ameaçá-la, caso contasse algo. Por isso que ela não falou antes. Hoje ela estuda no mesmo local onde eu trabalho, para se sentir mais protegida. Já voltou a dormir bem, mas na rua não solta da minha mão e não olha para a rua onde está a escolinha. Também não sai mais pra brincar, só se eu estiver presente.

O que a polícia disse?
Disseram que agora estão procurando ele. Ela recebe apoio psicológico. A psicóloga disse que foi importante a minha filha ter falado, porque ela era a única capaz, por ser mais velha. As outras crianças eram mais novas e, por isso, foi até mais grave o que ele fez com essas outras crianças, porque elas não tinham como falar. São muito novinhas.

E o que vocês esperam daqui para frente?
Eu quero demais que ele seja preso, para que isso não aconteça com mais ninguém. E ela também, porque era conivente. Ela sabia e não denunciou. Essa história não pode ser mais uma esquecida, como a do outro local onde eles viviam. Às vezes eu paro e fico me perguntando como foi que isso tudo aconteceu. Como foi que vivemos isso? Eu não quero que mais ninguém passe pelo que estamos passando.
facebook
twitter
google plus

Deixe seu Comentário!