‘O comandante era extremamente experiente’, afirma dono do Globocop

259
Dono da empresa também é pai do operador de imagens que ficou ferido na queda Foto: Diego Nigro/JC Imagem

DO JC Online

O dono da empresa Helisae Helicópteros do Nordeste, proprietária do Globocop que caiu na manhã desta terça-feira (23) na Praia do Pina, no Recife, afirmou que a aeronave passou por uma revisão recentemente. De acordo com Wagner Monteiro, a manutenção do helicóptero “estava em dia“. O empresário destacou ainda que o piloto Daniel Galvão, que comandava a aeronave e que morreu no acidente, era “extremamente experiente“.

Em entrevista coletiva no Hospital da Restauração, Wagner Monteiro explicou que a Heliase opera o Globocop há 15 anos. “Nunca havia acontecido absolutamente nada“, afirmou Wagner que também é comandante de helicóptero. Ele estava na unidade de saúde buscando informações sobre o estado de saúde do operador de imagens Miguel Brendo, de 21 anos, que é seu filho e que também estava na aeronave no momento da queda. O jovem teve graves ferimentos no abdômen e foi encaminhado para o bloco cirúrgico do HR.

O helicóptero tinha acabado de sair de uma revisão. A parte documental, a parte de manutenção, tudo em dia. Voamos há 15 anos, então é realmente lamentável“, afirmou Monteiro. O proprietário do Globocop afirmou que voou pessoalmente na aeronave na última segunda-feira (22) para realizar imagens para os jornais da manhã e do horário do almoço da Rede Globo Nordeste. “Eu voei ontem o dia inteiro nesse helicóptero“, lembrou. Sobre o piloto da aeronave, Wagner Monteiro afirmou que Daniel Galvão era “um cara extremamente experiente“. O piloto também teria cidadania americana.

Terceira vítima
Além do comandante Daniel Galvão e do operador Miguel Brendo, uma sargento da aeronáutica, identificada pelo G1 como Lia Maria Abreu de Souza, estava no helicóptero que caiu. “A gente voa com piloto a bordo, às vezes repórter e operador de sistemas que é quem comanda as câmeras“, detalhou.

Tinha uma convidada do controle, uma controladora de voo. Sempre existe uma forma de diálogo com os órgãos de controle, para a gente poder atender à televisão e também atender ao controle aéreo. Esse era o motivo da controladora no voo“, afirmou o empresário, informando que outros controladores voaram no Globocop na segunda-feira (22).

Deixe seu Comentário!