Olinda realiza desratização e controle de focos de Aedes para o Carnaval

129

O Sítio Histórico de Olinda será alvo de um mutirão de desratização e busca de focos do Aedes aegypti nesta quarta-feira (31), a partir das 8h30. Ao longo do percurso, estão cerca de seis mil imóveis que devem receber as ações preventivas para o Carnaval. A meta é diminuir o risco da ocorrência de leptospirose – transmitida pela urina de ratos infectados – e dengue, zika e chikungunya (carregados pelo Aedes) entre os foliões que forem passar a festa na Cidade Alta.

Uma equipe de 115 profissionais da Secretaria de Saúde da cidade foi mobilizada para a força-tarefa. São três biólogos, 19 supervisores e 93 agentes de endemias. Serão disponibilizados cerca de três mil blocos parafinados e 200 kg de pó de contato para combater os roedores. Os técnicos irão aplicar os produtos nas vias públicas, residências e outros pontos estratégicos. O coordenador de Centro de Vigilância Ambiental de Olinda (Cevao), Henrique Silva, destacou que os produtos são seguros e não agridem o meio ambiente. Moradores e visitantes também serão orientados sobre o acondicionamento adequado do lixo.

“Esta é uma ação preventiva que acontece antes do Carnaval porque a gente sabe que com o quantitativo de pessoas que vem brincar o Carnaval em Olinda também gera acumulo de lixo e muitos acabam descartando os alimentos de forma inadequada. Essa desratização é para minimizar o impacto na cidade”, disse Henrique Silva. Olinda teve, em todo o ano de 2017, mais de 100 notificações de leptospirose e pelo menos um óbito confirmado. Em 2018, não há relato de caso suspeito na cidade.

Para evitar qualquer possibilidade de contágio por leptospirose, a indicação do coordenador do Cevao é que a população evite circular de pés descalços e higienize latas e garrafas antes do consumo de bebidas na folia. Sobre as arboviroses, o primeiro Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) apontou índice de risco 0,8, indicador considerado satisfatório.