Operação Inverno: Defesa Civil usa tecnologia para monitorar áreas de risco no Recife

202

Técnicos da Defesa Civil do Recife vão lançar mão da tecnologia parra monitorar em tempo real as áreas que apresentam riscos provocados pelas chuvas, como alagamentos e deslizamentos. A meta é vistoriar 47 mil pontos durante o ano e utilizar, além das informações contidas em documentos, a ferramenta do georreferenciamento para prevenir transtornos.

A ação faz parte da Operação Inverno deste ano. “Antes, as informações ficavam contidas nos relatórios, agora vão ser usadas em tempo real. Vai ser mais fácil o monitoramento das equipes. Se durante a vistoria for constatado algum risco, ele vai ser colocado no sistema”, afirma o secretário-executivo de Defesa Civil do Recife, coronel Cássio Sinomar.

As ações da Operação Inverno tiveram início desde janeiro, mas são intensificadas a partir desta terça-feira (9). Para realizar obras, vistorias e demais serviços para prevenir enchentes e deslizamentos, serão gastos R$ 81 milhões, mesmo valor utilizado em 2018.

Outra novidade em 2019 é a ampliação do Projeto Parceria para as áreas planas da cidade. Já realizada nos morros, a iniciativa propõe a construção de estruturas com o material entregue pela prefeitura e com a mão de obra das próprias comunidades.

“A iniciativa deu certo quando fizemos nos morros e, esse ano, decidimos ampliar para as áreas planas. A meta de 2019 é fazer 50 obras nesses novos locais”, afirma Sinomar.

Amenizar os transtornos nos pontos críticos de alagamento também é uma meta da Operação Inverno em 2019. Há, ao todo, nove obras em andamento ou com início marcado para este ano para desobstruir tubulações ou elevar vias com baixo dimensionamento. O serviço, realizado em bairros como Cordeiro, São José e Brasília Teimosa, está orçado em cerca de R$ 3 milhões.

Há, ainda, uma obra em processo de licitação para combater os alagamentos na Avenida José Rufino, no bairro de Areias, na Zona Oeste do Recife. Com orçamento de R$ 2,5 milhões, o serviço busca solucionar os pontos de alagamento na via.

Locais como a Rua da Concórdia e Rua Imperial, no entanto, estão fora do planejamento. “Não temos os recursos agora, mas essas ruas estão na nossa previsão”, afirma o secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos do Recife, Roberto Gusmão. O serviço nas duas vias tem orçamento de R$ 4 milhões e R$ 2 milhões, respectivamente.

Outras ações
A Operação Inverno também prevê a realização de 29 obras de contenção definitiva de encostas, colocação de 3,3 milhões de metros cúbicos de lonas plásticas em 16 mil pontos de risco e 12 simulados para prevenção de desastres em comunidades. Ao todo, 6.145 profissionais de 11 secretarias e órgãos municipais estão envolvidos nos trabalhos.

A limpeza de canais também é uma das ações realizadas durante a Operação. Desde 1° de janeiro deste ano, foram retiradas 26 mil toneladas de lixo dos canais da capital pernambucana, o que corresponde a 75% das 34,6 mil toneladas retiradas durante todo o ano de 2018.

“Já fizemos a limpeza de 42 canais do Recife. A meta é fazermos esse trabalho em 99 canais pela cidade”, afirma Roberto Gusmão.

Além das ações previstas para a Operação Inverno, o representante da Defesa Civil do Recife também reforça a importância do papel da sociedade civil. “A Defesa Civil não funciona sem a ajuda da população. É preciso receber e praticar as orientações do que apontamos ser seguro”, afirma Sinomar.

Deixe seu Comentário!

Assine agora mesmo nosso grupo no WhatsApp e seja o primeiro e saber de tudo!

ASSINAR GRUPO VIP GRÁTIS
Anuncie