Pernambuco completa três meses de combate à Covid-19

125
Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

A chegada de um vírus praticamente desconhecido, assustador para alguns e menosprezado por outros, mudou drasticamente a vida dos pernambucanos, que acabavam de sair de uma de suas maiores celebrações: o Carnaval. No dia 12 de março de 2020 foram notificados dois casos do novo coronavírus na capital pernambucana. De lá para cá, a saúde precisou ser reforçada, o trabalho precisou mudar, as festas precisaram ser adiadas e o “normal” ganhou uma nova versão, com máscaras para sair de casa.

Para atender a demanda da população contaminada, que já era esperada devido a análise de outros países, a criação de novos leitos e contratação de mais profissionais de saúde foram as principais medidas tomadas pelo Governo do Estado, junto com o isolamento social. Na avaliação do Secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, o momento é de comemoração pelas conquistas e cautela no retorno às atividades econômicas. “Não podemos ter uma liberação geral de comportamento. Precisamos ter a clareza de que o vírus ainda circula. Precisamos do comportamento adequado. Ainda não estamos prontos para o retorno de uma normalidade qualquer”, contou. De acordo com o secretário, esse tem sido o “maior esforço sanitário e de logística da nossa história”.

O Secretário de Saúde ainda salientou que ações para garantir um melhor atendimento da saúde em Pernambuco estão sendo tomadas. De acordo com Longo, o aumento da testagem é uma das ações que serão tomadas no decorrer dos próximos dias no Estado. “Estamos ampliando permanentemente nossa capacidade de testagem. Estamos adquirindo 120 mil testes e uma máquina de última geração que vai quadruplicar nossa capacidade de processamento nos testes”, informou. Atualmente o Estado tem capacidade para fazer 10 mil testes para identificação do novo coronavírus por semana.

No hospital de referência em tratamento do novo coronavírus em Pernambuco, o Hospital Oswaldo Cruz ,foi celebrada, nesta sexta-feira (12), a milésima alta dada a um paciente internado pela Covid-19. João Caetano da Silva Irmão passou  60 dias de internamento, sendo alguns deles, inclusive com suporte de Terapia Intensiva. No hospital foram 1.403 pacientes acolhidos desde a primeira notificação do coronavírus, com 1.073 casos suspeitos e 459 confirmados. Destes, 178 precisaram de internamento na UTI da unidade. 

Segundo o governador Paulo Câmara, mais de sete mil pernambucanos receberam atendimento nos 1,6 mil leitos criados em todas as regiões do Estado, sendo 700 de UTI e 900 de enfermaria. “Estes números refletem as vidas que foram salvas e justificam qualquer esforço realizado. Foi também uma marca muito importante para o enfrentamento à Covid-19, atingida pelo nosso hospital universitário. Parabenizo todos os profissionais que têm se dedicado, tanto no Oswaldo Cruz, quanto em todas as unidades de saúde, na linha de frente do combate ao novo coronavírus”, disse o governador.

O plano de retorno de atividades econômicas foi comentado por Paulo Câmara, que alertou: “Não vamos hesitar em fazer alterações, de acordo com as orientações das autoridades de saúde e científicas. Como já fizemos ao decidir que 85 cidades das Matas Sul e Norte e de parte do Agreste permaneceriam sem flexibilizar as medidas restritivas”. No atual planejamento de retorno, na próxima segunda-feira (15) está programada a abertura do comércio de rua e dos salões de beleza e estética no Estado.

Like
Curtir Amei Haha Uau Triste Grr