Pesquisa diz que praias de Pernambuco estão mais sujas

156

Principais destinos turísticos do Nordeste, Bahia, Pernambuco e Ceará foram os três estados brasileiros que mais registraram piora nas condições de balneabilidade das praias em relação a 2016, é o que indica pesquisa feita pela Folha de São Paulo. Pernambuco teve piora em 27 das 50 praias monitoradas.

Na Bahia, 26 das 113 praias estão piores que o ano passado. Já no Ceará teve queda na qualidade de 16 dos 56 trechos avaliados, sendo 15 deles na capital Fortaleza. Uma das praias preferidas de quem vive em Fortaleza e de turistas que visitam a capital cearense, a Praia do Futuro teve qualidade imprópria em seis dos sete pontos de coleta em 2017. Há um ano, o cenário era o oposto: das sete praias, seis eram próprias.

Na Bahia, cidades como Salvador, Ilhéus e Porto Seguro foram afetadas. Em Ilhéus, as procuradas praias do sul, que há um ano tiveram balneabilidade regular, este ano estavam em condição péssima. O mesmo aconteceu com o trecho em frente ao Opaba Praia Hotel.

Até mesmo na badalada vila de Trancoso, em Porto Seguro, as águas estão menos limpas que há um ano. Se em 2016, a Praia dos Nativos era considerada boa, própria em todas as medições, este ano teve classificação regular.

O mesmo aconteceu em Morro de São Paulo, onde até mesmo as mais isoladas terceira e quarta praias estiveram impróprias em algumas semanas do ano. Em Salvador, a praia do Farol da Barra era uma das raras praias das cidades consideradas boas em 2016. Um ano depois, o cenário era o inverso: a praia foi classificada como regular no trecho em frente ao edifício Oceania e ruim no trecho junto ao restaurante Barravento.

“Espero que o pessoal continue frequentando. Se a água tiver ruim, que venham para tomar sol e beber uma cerveja”, disse o ambulante Vadeldenir Gomes, preocupado em perder seu público fiel na praia do Farol para quem vende protetor solar.

Ao todo, 27 praias estiveram ruins ou péssimas em 2017 -ou seja, impróprias para banho em mais de 25% das coletas. Além dos motivos usuais de despejo irregular de esgoto em rios e córregos, a capital baiana enfrentou problemas mais graves.

A Polícia Federal identificou em investigação o lançamento de esgoto sem o devido tratamento por um período de dois anos, resultado de defeito em uma das bombas do emissário submarino do Rio Vermelho, que atende a 60% da demanda da cidade.

Em novembro, quando a Polícia Federal fez busca e apreensão de documentos na Embasa, empresa estadual de água e saneamento da Bahia, a estatal afirmou que a estação de tratamento está funcionando. Contudo, admitiu que as bombas de peneiramento estavam operando parcialmente por defeitos de fabricação.

Melhoria

Na contramão dos três Estados nordestinos, o Rio de Janeiro e Santa Catarina foram os Estados em que mais praias melhoraram entre 2016 e 2017. No Rio, 73 praias subiram de patamar nos indicadores de balneabilidade. Destaque para a praia do Leblon, no qual os três pontos de coleta tiveram qualidade ruim no ano passado e passaram a ser regulares este ano. Em Santa Catarina, 36 praias registraram melhora no período de um ano, sendo 12 em Florianópolis -incluindo trechos das praias Brava, dos Ingleses e Jurerê.

Presidente da Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina, Alexandre Waltrick Rates, afirma que também houve um crescimento dos pontos de coleta considerados próprios, que avançou de 73% em 2016 para 80% este ano. “Isso é bom, balneabilidade é saúde pública”, afirma Rates, destacando investimentos na construção de estações de tratamento de esgoto nos últimos anos.

Deixe seu Comentário!