Primeiro dia de aumento no metrô é marcado por protesto

94

O aumento de quase 90% nas passagens do metrô do Recife, que entrou em vigor na última sexta (11), pegou muitos passageiros de surpresa. O reajuste já vinha sendo noticiado, mas muita gente descobriu que pagaria mais apenas na bilheteria. “Fiquei sabendo agora, é um absurdo isso. Moro no Cabo de Santo Agostinho e trabalho em Olinda, não sei se terei como vou bancar esse aumento”, comentou o soldador Uilton Cipriano, um dos usuários entrevistados.

Na manhã na sexta, o Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (Sindmetro-PE) e o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio Informal (Sintraci) e membros da Frente de Luta Pelo Transporte Público fizeram um ato que começou na estação Central do metrô do Recife e seguiu até a Assembleia Legislativa de Pernambuco. O objetivo do grupo é reverter o reajuste de R$ 1,60 para R$ 3 e conseguir assinaturas de pelo menos 17 deputados estaduais para que seja aberta uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigue o transporte público oferecido em Pernambuco.

Na bilheteria, todos os passageiros abordados disseram que não sabiam do aumento, como explicou o vigia Marcelo Chaves. “O transporte público é muito caro e ruim, por isso prefiro usar bicicleta”, comentou. Para o presidente do Sindmetro-PE, Getulio Basilio, o aumento pode inviabilizar a utilização do modal pelos trabalhadores. Nos cálculos do soldador Uilton, por exemplo, os custos com transportes passarão da média de R$ 100 por mês para R$ 250.

O superintendente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), Leonardo Villar já havia explicado que “havia dificuldades sobre como o reajuste da tarifa seria aplicado, já que desde 2012 o valor era mantido”. A CBTU já havia informado que as tarifas ficariam mais caras, além do Recife, em Belo Horizonte, João Pessoa, Natal e Maceió. A capital pernambucana ficou com o segundo maior reajuste, atrás apenas de Belo Horinzonte, onde a tarifa ficou R$ 3,40 mais cara.

Para justificar o aumento, a CBTU informou que “a recomposição das perdas inflacionárias reflete em valores inferiores aos praticados pelo sistema rodoviário e visa o equilíbrio entre o custo operacional e o preço pago pelo usuário, bem como a manutenção do caráter social do serviço metroferroviário prestado”.

Comércio ambulante
Jô Cavalcanti, do Sintraci, disse que a entidade já avalia os prejuízos para os ambulantes porque acredita que o aumento das passagens interferir nas vendas. De acordo com Jô, na Região Metropolitana do Recife (RMR), em torno de 1,5 mil vendedores ambulantes atuam no transporte público.

Deixe seu Comentário!

Anuncie